Alex no País dos Números

O negócio dele é números

 

Escritor e jornalista britânico Alex Bellos lança livro sobre paixão pela matemática.

 

Depois de morar cinco anos no Rio de Janeiro como correspondente do jornal The Guardian no Brasil, o jornalista inglês Alex Bellos voltou a seu país natal e tentou, sem muito sucesso, como costuma acontecer com muitos jornalistas, lançar-se em uma vida de empreendedor: "Vendi camisetas de jogadores de futebol brasileiros, comecei um blog, acalentei o plano de importar frutas tropicais", escreve ele no prefácio de seu livro mais recente. No fim, Bellos protagonizou uma dupla volta ao passado.

 

Nos anos 1990, antes de ingressar no jornalismo, ele havia se formado em filosofia e matemática. Juntando essa formação à experiência de correspondente, e após uma temporada de pesquisas e estudos para retomar contato com a matemática da qual estivera distante nos últimos anos, Bellos, 41 anos, agora apresenta-se no livro Alex no País dos Números como um correspondente no mundo da Matemática.

 

 

 

 

Bellos estará na terça-feira (19/04), às 9h, em Porto Alegre, para um bate-papo no Salão de Atos da UFRGS (Avenida Paulo Gama, 110) com o professor Ruy Carlos Ostermann que inaugura a série de ações paralelas do Fronteiras do Pensamento 2011: o Fronteiras Educação – Diálogos com Professores.

 

O encontro é voltado para professores e estudantes de cursos de licenciatura, com entrada franca, e as inscrições podem ser feitas pelo e-mail convite@fronteirasdopensamento.com.br ou pelo telefone (51) 3012-2621 – a atividade é um complemento ao Fronteiras Educação – Diálogos com a Geração Z, voltado para estudantes. Na pauta da conversa, as estratégias para tornar o ensino da matemática mais eficiente, as formas de transmitir aos estudantes o fascínio pela magia lógica dos números e os motivos pelos quais uma ciência de bases tão consolidadas tem dificuldades históricas de ser transmitida nos bancos escolares.

 

Alex no País dos Números é um livro de divulgação científica que honra seu gênero – porque divulga mas não vulgariza.

 

Escrito com a prosa leve e ágil que Bellos desenvolveu em seus anos como jornalista, mas com a familiaridade natural com números que boa parte da profissão não tem, o livro é um passeio curioso pela onipresença da matemática como um sinal evidente da civilização. Bellos começa falando com um linguista francês, ex-aluno de Noam Chomsky, que passa meses por ano no Brasil estudando o idioma de uma tribo mundurucu, que desconhece números acima de cinco – na vida comunal dos indígenas, em que tudo é de todos e todas as crianças são responsabilidade coletiva, não faz sentido contar além dos dedos da mão nem mesmo os próprios filhos.

 

Bellos é também o autor de Futebol: O Brasil em Campo (Jorge Zahar, 2002), livro que o jornalista escreveu durante seu período de residência no Brasil, e que incluía viagens e grandes deslocamentos atrás dos aspectos mais pitorescos de o quanto a paixão pelo futebol estava entranhada na mentalidade brasileira. Alex no País dos Números vale-se de expediente semelhante. Ao longo dos 12 capítulos do livro – o primeiro é identificado com o número 0, conquista matemática dos indianos que o escritor define como "uma das maiores realizações intelectuais da história da humanidade" –, Bellos viaja não apenas pelo mundo físico (da Alemanha ao Japão, da Índia ao Estado americano de Oklahoma), mas pelas diversas províncias do universo matemático: as análises combinatórias, a aritmética, a álgebra, a geometria, a etnomatemática (o "estudo de como diferentes culturas abordam a matemática), a estatística.

 

Carlos André Moreira - Publicado em Zero Hora

publicado por ardotempo às 12:55 | Adicionar