No País das Maravilhas não há recato

 

Mil mortos nas avalanches da chuva

 

Mil mortos e um morto nas avalanches da chuva.

Não há recato no País das Maravilhas.

Ao mesmo tempo, na cidade ao lado,

a euforia de milhares na festa

pelo jogador de futebol.

Milhares de camisetas, milhares de pessoas

a cantar, a gritar no meio da tarde de trabalho

(de onde vem tanto dinheiro para consumir

tanto tempo, o luxo de tanto ócio?)

 

Não há recato no País das Maravilhas.

 

Mil mortos e um morto nas avalanches da chuva,

milhares de tragédias individuais,

que serão para sempre

e na cidade ao lado anunciam-se as festividades

do Carnaval próximo.

Ninguém olha para o lado.

A noticia trágica é adrenalina,

é o prazer do espanto.

A festa continua.

 

Não há recato no País das Maravilhas.

 

 

publicado por ardotempo às 13:05 | Adicionar