Manual de Instruções para ler Gonçalo

Gonçalo M. Tavares


Isabel Coutinho


Quem é?


Gonçalo M. Tavares (M. de Manuel) é um escritor português, tem 40 anos, é considerado o melhor da sua geração. Nasceu em Luanda, em 1970, porque os seus pais (a mãe matemática, o pai engenheiro) estavam em Angola, nessa época. Veio para Portugal aos 3 anos. De Luanda não tem recordações: só o que viu em fotografias. Passou a infância em Aveiro e, aos 18 anos, foi estudar para Lisboa. Formou-se em Educação Física e Desporto (na adolescência, jogou futebol nos juniores do Beira-Mar). É professor de Epistemologia na Faculdade de Motricidade Humana, em Lisboa.


Escreveu todos os dias durante doze anos (gosta de escrever em cafés) mas só começou a publicar livros em 2001. Foi bolseiro do Ministério da Cultura – IPLB com uma bolsa de Criação Literária para o ano 2000, na área de poesia. E em Dezembro de 2001 publicou a sua primeira obra: “Livro da dança”, na Assírio & Alvim. Nos últimos nove anos, já publicou 29 livros.


“Jerusalém” (Caminho) foi o romance mais escolhido pelos críticos do jornal PÚBLICO para Livro da Década. “Um Kafka português”, chamou-lhe nas páginas da “Le Figaro” magazine, a escritora francesa Elisabeth Barillé. “Vai Gonçalo M. Tavares tornar-se um produto de exportação tal como o vinho do Porto e a saudade?”, perguntava ela. A resposta só pode ser: sim.


O que fez?


“No panorama actual da literatura portuguesa não há ninguém tão aplicado na construção daquilo a que, com muitas suspeitas, chamamos “obra” – mobilizando a ideia de autor, de projecto e de sistema – como Gonçalo M. Tavares”, escrevia o crítico literário António Guerreiro no “Expresso”, em 2004. Os anos passam, a análise torna-se mais pertinente. Quando começou a publicar (às vezes, vários livros por ano em diferentes editoras), M. Tavares foi considerado “a maior revelação literária dos últimos tempos”. Veio depois a consagração com os prémios literários. Entre outros, em Portugal: Prémio LER/Millennium BCP 2004 e o Prémio José Saramago 2005. No estrangeiro: Prémio Portugal Telecom 2007, Prémio Internazionale Trieste 2008 e Prémio do Melhor Livro Estrangeiro 2010 em França.


Quem nunca leu a obra de Gonçalo M. Tavares pode começar pela série “O Bairro”, cadernos dedicados aos Senhores, que iniciou em 2002 com “O Senhor Valéry e a lógica”. É “uma espécie da história da literatura em ficção”, uma utopia que vai no décimo volume. Permite uma leitura mais lúdica. Do lado oposto está a tetralogia “O Reino”, que reflecte sobre o mal, a violência e o medo: “Um Homem: Klaus Klump” (2003), “A Máquina de Joseph Walser” (2004), “Jerusalém” (2004) e “Aprender a Rezar na Era da Técnica”. Cerca de 160 traduções dos seus livros estão a ser feitas em 35 países.


Porque o escolhemos?


O romance “Aprender a Rezar na Era da Técnica”, numa tradução de Dominique Nédelle, recebeu em França o Prémio do Melhor Livro Estrangeiro 2010. Até agora, António Lobo Antunes era o único português a quem tinha sido atribuído. Musil, García Márquez, Elias Canetti, Kawabata, Bioy Casares, Vargas Llosa, Durrell, Günter Grass, Rushdie, Pamuk, também receberam este prémio.


O escritor e jornalista francês Pierre Assouline escreveu dia 1 de Dezembro no blogue La République des Livres, no “Le Monde”, que a atribuição deste prémio é só o começo. “O seu projecto literário, que consiste em repovoar, à sua maneira, um bairro que inventou – com silhuetas consagradas da história literária -, é tão fascinante pela lógica interna que o anima que quase reagimos como José Saramago quando lhe disse que escrever tão bem, quando se é tão jovem, “só dá vontade de lhe bater”!


Este ano, em Portugal, Gonçalo M. Tavares lançou três livros: “O Senhor Eliot e as conferências” (Caminho), “Matteo perdeu o emprego” (Porto Editora) e “Uma Viagem à Índia” (Caminho), uma epopeia do século XXI que narra a viagem de Bloom até à Índia, partindo de Lisboa, escrita com os mesmos cantos e estrofes d”Os Lusíadas. O livro tem um prefácio de Eduardo Lourenço. Vasco Graça Moura considerou-o “um livro extraordinário”, que vai marcar “não apenas a História da Literatura Portuguesa, mas provavelmente a cultura europeia”. Dentro de cem anos, haverá teses de doutoramento sobre passagens e fragmentos de Uma Viagem à Índia, afirmou o editor Zeferino Coelho.


O que podemos esperar dele?


Quando se comemoravam os 12 anos da atribuição do Prémio Nobel da Literatura a José Saramago, o seu editor, Zeferino Coelho – também editor de M. Tavares -, lembrava que o prémio elevou a nossa literatura. Dizia acreditar que nos próximos anos haverá outro editor português a acompanhar até Estocolmo outro autor português. E brincava: “Até estou convencido que serei eu outra vez!” Saramago já o tinha dito e a mesma opinião tem Graça Moura: “Prevejo que ele virá a ganhar o Prémio Nobel…”

 


 

Várias peças de teatro vão ser feitas em Portugal, França e no Brasil, em 2011, a partir dos seus livros. A actriz Jeanne Moreau tem o projecto de fazer uma leitura teatral do livro “O Senhor Kraus” em Paris. Se isso se confirmar Gonçalo M. Tavares irá a França, sem dúvida. Apesar de ter recuperado o gosto pela viagem, o escritor tenta “concentrar as viagens, fazer apenas uma ou duas viagens maiores, aquelas viagens mais marcantes”, por isso não irá no próximo ano a muitos dos países onde irão ser publicados os seus livros. “Preciso muito de Lisboa para escrever, e portanto tento estar o mais tempo possível aqui”, explica ao PÚBLICO. “Para o próximo ano, de 2011, para já não tenho nada terminado. Há várias coisas em matéria bruta, logo se verá. O que quero agora é regressar de novo para o meu canto, trabalhar, e fazer muitas coisas que ainda não fiz e quero fazer.

 

 

Isabel Coutinho - Publicado em Ciberescritas

publicado por ardotempo às 08:07 | Adicionar