"Marionetes unidos...jamais serão vencidos!"

 

Ideologia para os pequenos

 

Nós adaptávamos textos clássicos infantis ou os escrevíamos nós mesmos (Antônio Carlos Sena, Marco Aurélio Garcia, Aníbal Damasceno) para encenações ao melhor estilo dos bonequeiros de marionetes tradicionais europeus. As vozes eram feitas todas ao vivo. Somente muitos anos depois é que iríamos utilizar o gravador de voz. Era uma equipe bastante grande no caso do teatro de bonecos, em torno de dez pessoas.

 

Certa feita quase matamos o Enio Rockenbach de ataque cardíaco, por motivos políticos, num programa de marionetes inteiramente direcionado ao público infantil. Eu estava mais ou menos em férias, trabalhando e fazendo uma série de apresentações de bonecos numa colônia de férias na praia. O Marco Aurélio Garcia assumiu a direção do grupo na TV. Éramos todos jovens e alguns de nós tinham posições ideológicas de esquerda. O Marco Aurélio Garcia assumiu a chefia do grupo de encenação na TV e assumiu a sua posição ideológica.  

 

Aproveitou para escrever um texto e montar uma peça de teatro infantil, de esquerda. Reescreveu a história da tentativa da invasão da Baía dos Portos em Cuba pelos fuzileiros navais norte-americanos. Aproveitou alguns bonecos, foi criando a adaptando-os ao seu texto, tinha o Rei Dólar, que conspirava com o boneco Batista, o ditador de Cuba que fora deposto. Ele usou o boneco do Reizinho, que era o pai da Bela Adormecida, e inventou o Rei Dólar, utilizando a personagem do Lobo Mau, da peça do Chapéuzinho Vermelho, com roupas adaptadas. Nos bonecos representando os camponeses pobres e os revolucionários, colocou barbas postiças. O programa foi para o ar vivo sem que o pessoal da direção de TV o visse antes e a TV Piratini teve problemas. 

 

Deu uma confusão tremenda, quase fomos todos demitidos, o grupo de atores com os seus bonecos. O Enio teve uma dor de cabeça terrível para contornar a situação mas deu tudo certo no final e permanecemos trabalhando na televisão. Tudo isso por conta do Marco Aurélio Garcia, que depois acabou sendo o assessor para assuntos internacionais do Presidente Luis Inácio Lula da Silva.” - Depoimento de Antônio Carlos Sena

 

 

 

Companhia de Teatro de Bonecos, de Antônio Carlos Sena, com Marco Aurélio Garcia, ao centro, atrás da câmera da TV Piratini, Canal 5

 

Publicado no livro OS TELEVISIONÁRIOS, de Walmor Bergesch, Edições ARdoTEmpo, 2010

 

publicado por ardotempo às 01:18 | Adicionar