Palavra - Poema inédito de Mariana Ianelli

 

Palavra

 

 

Quantos dias nessa guerra
Não foi contra a minha vontade 
Guerrear
- E arremetia, me devastava,
Secretamente amanhava a terra
Com o excelente desempenho
Do meu ódio.
                                                                                                              
E também isto passou.
O demoníaco da ingratidão,
Metade de uma obra queimada,
Passou esse gasto modo de dizer
Maldito seja
Que só a mim escandalizava.
                                                                                                              
Era um presente que me pesava  
Mais que os anos, 
Não ter a quem confiar 
Minha parte humana, 
Dada à embriaguez e ao desastre, 
E uma sombra que me buscava 
Feito um cão, 
A insônia da minha perplexidade,
Aquele em que eu jamais reparava,
Meu fiel anjo da morte.
                                                                                                                    
Quanto tempo me demorei
Nessa palavra.
Incensando a casa vazia
Eu rogava por um dia
Tão distante das armas e do medo
Que já não me turvasse 
Um resquício,
Um gesto de sepultamento,
E o silêncio que me tomasse
Agora sem ressentimento
Fosse o testemunho 
De uma renascença.
                                                                                                  
Havia um olho selvagem
Em tudo que eu pensasse.
Um pássaro 
O amor que eu concebia
Depois devorava.
Por horror ao mundo devorava.
E me gabava de pensar
Que em mim guardada 
Uma fidelidade
Entre tantas já corrompidas
Perdoaria meu coração descompassado.
                                                                                                                
Eu me desatentei, eu me ressenti
Dos lugares desaparecidos
Da minha história.
Por esquecimento vagava no vento,
O remanescente 
Do império de um tempo
Que em seu declínio se contenta 
E se absolve.
                                                                                                                 
E se a mim mesmo me assistisse
O corpo todo se encolhendo 
Num espasmo, resistindo,
Com meu abandono me desavindo
Eu confessaria –
A rebeldia inútil da vida 
Me comove.
                                                                                                                    
Coberto de poeira
Irmão dos rochedos
Caído de joelhos por cansaço
Como se nada mais me desequilibrasse
Falaria por mim um estremecimento,
Minha nascente, 
Uma rubra sinceridade –
Ainda me falta um presságio 
De revoada.
                                                                                                           
Ares de madrugada
Toquem meus ombros, meus pés,
Seja um rosto limpo,
Sem febre e sem vexame,
O rosto que vier,
Oráculo do meu passado.
                                                                                                                 
Agora eu me calo, eu vejo
Onde falham as despedidas:
Há uma tarde e uma manhã
Entre o descampado 
E o primeiro filho.
                                                                                                                                                 
Na noite alta 
Faço o meu acampamento,
Ao longe escuto 
O som do guizo dos que partem,
Tenho imensa tarefa pela frente.
Semeador de pouca fala,
Vou deitando os meus mortos
Onde incendeia.
                                                                                                                                                                                                                                                                                                  
© Mariana Ianelli - Iluminuras, 2010

Poema inédito da poeta Mariana Ianelli,
que antecipa a estréia de seu sexto livro
de poesia, Treva Alvorada que será lançado no Brasil,
pela Editora Iluminuras, em junho de 2010.
                                                                  

publicado por ardotempo às 22:46 | Comentar | Adicionar