"A televisão é o futuro"

O visionário da tevê 

 

Entrevista com Walmor Bergesch - por Tatiana Tavares (Zero Hora)

 

Zero Hora – No livro Os Televisionários, o senhor mesclou o passado com o futuro e ainda enriqueceu esse conteúdo com textos de escritores como Luis Fernando Verissimo e Luís Augusto Fischer, que introduzem os capítulos. Como surgiu essa ideia?


Walmor Bergesch – Queríamos iniciar cada capítulo com o ponto de vista do lado de fora, do telespectador. Assim, convidamos contistas e cronistas para escrever uma história ficcional ou não, que tivesse correlação com o que seria falado a seguir. E conseguimos reunir este belo time (Sergius Gonzaga, Luis Fernando Verissimo, Aldyr Garcia Schlee, Claudia Tajes, Fabrício Carpinejar, Luís Augusto Fischer, Monique Revillion, Ignácio de Loyola Brandão, Gilberto Perin e Charles Kiefer).


ZH – Em 1961, o videoteipe foi responsável por transformar o modo como se fazia televisão naquela época. É possível fazer uma comparação entre a revolução protagonizada pelo videoteipe e a que deve ser desencadeada pela TV de alta definição?


WB – A primeira grande revolução foi realmente o videoteipe. Depois, a grande novidade foi a cor, a maior de todas para mim até agora. Em seguida, foi o desenvolvimento das microondas, para se estabelecer redes terrestres de televisão. Inicialmente, entre Rio e São Paulo. Em 1969, as redes começaram a se consagrar com o Jornal Nacional. Foi uma coisa maravilhosa, era o carro-chefe da formação de uma rede. Estabeleceram-se as afiliações das emissoras de forma mais forte. O grande marco que surgiu depois foi a TV de alta definição. A primeira vez que eu vi essa tecnologia foi na exposição da NAB em 1983, em Las Vegas. Depois, a tecnologia digital viabilizou a TV de alta definição.


ZHE qual é a revolução que a TV digital desencadeia?

 
WB – A revolução que ela vai provocar não é aquilo que estamos vendo hoje – que é maravilhoso para quem assiste a um bom filme ou boa novela bem produzida em casa ou qualquer tipo de conteúdo bem produzido em todas as etapas –, mas a evolução da tecnologia da televisão, do vídeo. Por exemplo, 3D já é uma evolução graças à tecnologia digital, porque antes ela não era viável para a televisão.


ZHPodemos fazer alguma previsão do que o futuro da televisão irá nos oferecer?

 
WB – Não temos como imaginar o que acontecerá nos próximos 15 anos. Mas já existem estudos adiantados em holografia. Centros de desenvolvimento eletrônico já estão com essa tecnologia em alguns protótipos. Algumas coisas já foram feitas experimentalmente, mas não funcionam na prática. Imagine, então, os recursos que teremos ao reunir a TV digital, o 3D e a holografia.


ZH A holografia vai permitir que, quando assistirmos uma novela, possamos visualizar a atriz ao nosso lado. Correto?


WB – Exatamente. É algo extraordinário, e acho que poderemos ver isso nos próximos 10 anos. É uma revolução extraordinária que vem aí.

 

 

 

 

Fotografia do autor: Tânia Meinertz (Divulgação/ ARdoTEmpo)

publicado por ardotempo às 23:31 | Comentar | Adicionar