Hully-gully, lembra dele?

Reabilitados
 
Luis Fernando Verissimo
 
 
Os profetas do século XX estão sendo reabilitandos. Pareciam desmoralizados para sempre pelo futuro que não previram, ou previram mal.
 
1984 já passou e o inferno totalitário de Orwell não aconteceu, ou quase aconteceu mas não vingou. O admirável mundo novo de Huxley, é verdade, ainda estaria por vir — está marcado para a metade deste milênio — mas tudo indica que não será como ele imaginou.
 
Nada envelhece tão depressa como os futuros de antigamente. As profecias erradas só serviriam para mostrar o que se temia ontem — a coletivização forçada no caso do antiestalinista Orwell, a automatização da vida e a felicidade artificial na nascente americanização do mundo pelo fordismo e a padronização industrial, no caso de Huxley.
 
Pelas previsões deles se conhecia o passado, não o futuro. Outros especuladores que pareciam visionários não sobreviveram a seus a 15 minutos de notoriedade.
 
Marshall McLuhan, guru de uma nova ciência da comunicação, desapareceu sem deixar vestígios ou seguidores. Herbert Marcuse, supremo sacerdote da contracultura, teve o mesmo destino do hully-gully, lembra dele? Não foi um bom século para profetas.
 
Ou foi? Estão descobrindo que eles não erraram, apenas não foram adequadamente entendidos. A internet recuperou a idéia da Aldeia Global de McLuhan, que só estava esperando a invenção do chip de silício para se tornar realidade.
 
Quando pensavam que Marcuse apenas dava uma bênção filosófica para mais sexo e roquenrol, ele estava falando do mundo unidimensional e das formas veladas de doutrinação ideológica que nos esperavam com o pensamento econômico único, e isto ainda na década de 70.
 
O "Big Brother" pode não controlar nossas vidas totalmente como Orwell previu em "1984" mas só porque não quer, pois hoje tem todos os meios eletrônicos para isto, e nenhum modo de ser resistido.
 
E a padronização da vida e a felicidade em pílulas de Huxley não estão muito longe da monocultura americana e da química onipotente do noticiário atual.
 
Os profetas podem ter errado nos seus roteiros e nos seus exageros mas acertaram no essencial. E espera-se para qualquer momento a volta, também reabilitado, do hully-gully.
 
Felicidade

O que é felicidade?

Felicidade é quando o último canapé da bandeja sobra para você.

É quando você sacode a lata — e ainda tem cerveja!

É encontrar vaga no estacionamento depois de uma volta só.

É o dentista telefonar para desmarcar a hora.

E, ao contrário do que você sempre pensou, felicidade não é viver uma grande paixão, é ter alguém para coçar as suas costas.
 

Luis Fernando Verissimo

tags:
publicado por ardotempo às 02:07 | Adicionar