O anarco-criador

Morrer como Corbière
 
Emmanuel Tugny
 
 
Romance
 
Jim Morrison não conheceu Tristan Corbière, que pena! O leitor brasileiro conhecerá o maldito da poesia que se perdeu ainda tão jovem através do texto de Emmanuel Tugny.
 
Morrer como Corbière nasceu sob o signo da poesia maldita, como diria Octavio Paz sobre os poetas malditos, “são frutos de uma sociedade que expulsa aquilo que não pode assimilar”. A vida tem em comum ao Morrison e a Corbière, talvez uma morte prematura. Corbière impressiona Tugny não por seu único livro, Os amores amarelos, mas pelo encanto da vida na literatura.
 
A obra única do Corbière teve a tradução no Brasil no final dos anos 90 do século passado. Não é fácil encontrar escritores assim por esse país, Corbière, Tugny, este que vem do seu criador, um anarco-criador, no texto e na música que faz sua obra sob a égide da linguagem, dos nomes, das formas, da cores em notas e que ainda escreve à mão pelos dedos de Emmanuel Tugny. Nada melhor do que o Tugny homenagear a vida deste outro poeta que veio ao conhecimento do público através de Verlaine, em 1884, com Les Poètes maudits.
 
Morrer como Corbière é um romance que fragmenta a vida do escritor nas partes que compõem o texto, a forma vem como um barco que traz o alimento com a linguagem em direção as areias. O leitor se sentirá nesse barco, esse marinheiro ao encontro da terra. E nada melhor que conhecer o texto de Emmanuel Tugny nesse sonho de Tristan Corbière em Morlaix.
 
Emmanuel Tugny nasceu em Rennes, 1968. Foi professor, diplomata na Itália e atualmente está trabalhando no Brasil como adido cultural em Porto Alegre. Publicou seus primeiros livros nos anos 80. Desde então, tem mais de 20 livros editados – romances, ensaios e poemas. Ganhou o prêmio do Museu de Arte Moderna de Paris em 1995, do CNL em 1997, e o Prix de Flore B da blogosfera em 2007. 
 
Capa: Letícia Lampert
Tradução: Luciano Loprete
ISBN: 978-85-205-0534-2
Editora Sulina/Sul Editores
tags:
publicado por ardotempo às 21:24 | Comentar | Adicionar