Iluminando o olhar

Dois fotógrafos
 
Os olhares dos fotógrafos agem de duas formas: iluminando o mundo em que vivemos e levando-nos a ver de maneira diversa aquilo a que o olhar se acostumara.  Duas exposições podem ilustrar essa ação. 
 
A primeira, por ordem alfabética, é a de Gilberto Perin, no Centro Cultural CEEE Erico Verissimo (Porto Alegre RS Brasil), denominada Conexões Infinitas. Seu olhar é refinadíssimo. Trabalhando com os melhores meios digitais contemporâneos, Perin vai-nos mostrando cidades e espaços comuns, até triviais; digamos: na aparência são fotos de um flâneur que visita o Oriente, a Europa, Porto Alegre, Nova York. Mas isto só à primeira vista.
 
 
 
 
Quando paramos sem pressa frente aos painéis, as fotos vão revelando pormenores, circunstâncias que provocam pequenas epifanias, nas quais está presente um saudável toque de humor e de sabedoria. Há uma foto, Os frades, realizada em Roma, que vale por um tratado teológico; três sorridentes e jovens religiosos divertem-se com a câmera na praça de São Pedro, Roma, enquanto repartem um lanche, composto de bolachinhas industrializadas e sucos de supermercado. Há outra que, pelo insólito, nos conquista: um homem desce por uma rua da Alfama. A verticalidade dos prédios faz um pendant com a figura longilínea do homem. Uma bênção visual.
 
O outro fotógrafo é Roberto Schmitt-Prym, cuja exposição virtual já é disponível em www.e-design.com.br/fotografia [inaugurará em 2010 a exposição “real” na Aliança Francesa], intitulada Cenários da Memória. Liga-se ao trabalho de Perin pelo fato gerador das fotos: o tema da visita e do flâneur. Só que, aqui, em Schmitt-Prym acontece, no material primário, uma intervenção profunda, obsessiva. As imagens sobrepõem-se, e são várias, dezenas para cada foto. A partir daí, há interferência da cor, quase sempre única. O resultado é perturbador: sabemos que o cenário existe, podemos localizá-lo em nossas lembranças, mas já não é o mesmo. Poder-se-ia destacar, como exemplo, a fachada principal de Notre-Dame de Paris. Multiplicam-se as portas, os santos do pórtico, a dizer que são inúmeros. O mesmo se pode dizer do Castel Sant’Angelo, luzindo ao sol de Roma.
 
 
 
 
Eis, em resumo, algo das mostras de Perin e Schmitt-Prym. Na obra de ambos fotógrafos, instaura-se aquilo que é o propósito da arte: tornar estranho o que é quotidiano e, se possível, ensinar a viver melhor. São exposições imperdíveis.
 
Luiz Antônio de Assis Brasil  
Imagens: © Gilberto Perin - Os frades - Fotografia (Roma Itália), 2009
             © Roberto Schmitt-Prym - Castel Sant'Angelo (Roma itália)
 
Publicado em Zero Hora
publicado por ardotempo às 02:01 | Comentar | Adicionar