Cartas



“Apanhar a carta e penetrar na mensagem enviada por uma pessoa muito amada é sublime. Os mais velhos se lembram da música que Isaura Garcia, a única paulista coroada Rainha do Rádio brasileiro, imortalizou:

“Quando o carteiro chegou,
o meu nome gritou com uma carta na mão.
Ante surpresa tão rude,
não sei como pude chegar ao portão”.

Cartas. Podem também ser desenhadas, pintadas, como estas aqui. E a sua missão, agora que entrou na exposição do Aquino é conseguir ler o que ele escreveu em cada desenho, em cada pintura. Escreveu para você, para mim? Para quem? E como sabia que você viria, eu viria?”

Ignácio de Loyola Brandão – Cartas, São Paulo 2004/2006

Carta – Pintura de Alfredo Aquino / Óleo sobre tela, 2004
tags:
publicado por ardotempo às 12:39 | Adicionar