Coisas que não mudam

 

Minha lista
 
Luis Fernando Verissimo
 
Há dias assisti a um concerto de piano em que o pianista precisava ler a partitura. Portanto precisava de alguém ao seu lado para virar as páginas da partitura. "Mais uma!" pensei, entusiasmado, e já me explico.
 
Não fazia muito eu tinha começado uma lista de coisas que continuavam as mesmas através dos anos. Coisas que eram iguais, hoje, ao que eram no tempo dos nossos avós. Ou mais ou menos iguais. A técnica podia tê-las aperfeiçoado aqui e ali, mas, basicamente, continuavam as mesmas que antes, com o mesmo uso.
 
A primeira coisa na minha lista era papel higiênico. Pouco mudou o papel higiênico desde que alguém teve a idéia de vendê-lo enrolado num cilindro de papelão e - imagino que mais tarde - picotado, para fácil acesso e manuseio. A qualidade do papel melhorou desde que nossos avós comentavam a sua aspereza, que era igual para todos, sem sonhar que um dia haveria mais suavidade para quem pudesse pagar por ela. Hoje há uma grande escolha de texturas e cores - mas o velho rolo continua o mesmo, e colocado no mesmo lugar. Certa vez tivemos a idéia de fazer histórias em quadrinhos impressas em papel higiênico. A pessoa iria puxando o papel e acompanhando a historinha. Havia o risco do consumidor se interessar pela história e desenrolar mais papel do que o necessário, mas as pessoas sensatas deixariam para ver a continuação na próxima, no próximo... Enfim, depois. A idéia não foi adiante, apesar da perspectiva de ganharmos muito dinheiro, porque ninguém agüentou a idéia de ver seu desenho passando por isso. Ou, no caso, aquilo.
 
Outra coisa que pouco mudou é guarda-chuva. Claro, hoje existem guarda-chuvas bem melhor estruturados do que aqueles que, a qualquer ventania, se transformavam em urubus atropelados. Há guarda-chuvas dobráveis que ficam tão pequenos que cabem no bolso da camisa. Mas, em essência, o guarda-chuva continua sendo uma tendinha portátil para guardá-lo da chuva - quando você esperava que já tivessem desenvolvido, sei lá, alguma espécie de domo de laser invisível, controlado pelo movimento das sobrancelhas, que lhe protegesse da chuva sem o perigo de ser esquecido em táxis e restaurantes. Mas não há nenhum aperfeiçoamento previsível no futuro do guarda-chuva.
 
 
O problema com a minha lista era que ficara muito curta. Pensei em incluir o lápis, que também continua o mesmo desde que foi inventado - mas o que mais? Foi quando vi o moço virando as páginas da partitura para o pianista. Sua função era antiga como o piano e não mudara com o tempo. Ele poderia estar virando as páginas para o Lizst. Não aparecera nada, como uma partitura eletrônica sensível ao som cujas páginas virassem sozinhas de acordo com a música, no momento certo, para substituir o virador. Mais uma coisa para a minha lista!
 
Outra coisa que não muda, claro, é a compulsão de fazer listas.
 
Repúdio
 
É compreensível o repúdio da comunidade judaica à visita do presidente do Irã Ahmadinejad ao Brasil. Ahmadinejad prega a aniquilação de Israel. Com o histórico empenho da nossa diplomacia em ajudar a apagar o fogo no Oriente Médio não se entende que seja recebido com honras oficias o mais notório incendiário da região
 
© Luis Fernando Verissimo

 

 

publicado por ardotempo às 19:59 | Adicionar