A vida bate

Ferreira Gullar

 

Não se trata do poema do homem 

e sua vida

- a mentida, a ferida, a consentida

vida já ganha e já perdida e ganha 

outra vez.

 

Não se trata do poema e sim da fome

de vida,

             o sôfrego pulsar entre constelações

e embrulhos, entre engulhos.

 

                                                     Alguns viajam, vão

a Nova York, a Santiago

do Chile. Outros ficam

mesmo na Rua de Alfândega, detrás 

de balcões e guichês.

 

                                       Todos te buscam, facho

de vida, escuro e claro,

               que é mais que a água na grama

               que o banho no mar, que o beijo

               na boca, mais 

               que a paixão na cama.

 

Todos te buscam e só alguns te acham. Alguns

               te acham e te perdem.

              Outros te acham e não te reconhecem

e há os que se perdem por te achar,

                                                                 ó desatino,

ó verdade, ó fome

                                de vida!

 

                O amor é difícil

mas pode luzir em qualquer ponto da cidade.

 

                E estamos na cidade

sob as nuvens e entre as águas azuis.

                A cidade. Vista do alto

ela é fabril e imaginária, se entrega inteira

               como se estivesse pronta.

 

               Vista do alto,

com seus bairros e ruas e avenidas, a cidade

é o refúgio do homem, pertence a todos e a ninguém. 

 

               Mas vista

               de perto,

revela seu túrbido presente, sua

               carnadura de pânico: as

               pessoas que vão e vêm

               que entram e saem, que passam

sem rir, sem falar, entre apitos e gases. Ah, o escuro

               sangue urbano

               movido a juros.

 

São pessoas que passam sem falar

               e estão cheias de vozes

               e ruínas. És Antônio?

És Francisco? És Mariana?

 

               Onde escondeste o verde

clarão dos dias? Onde

               escondeste a vida

que em teu olhar se apaga mal se acende?

               E passamos 

carregados de flores sufocadas.

 

                Mas dentro, no coração

                eu sei,

                            a vida bate, Subterraneamente,

a vida bate.

 

                 Em Caracas, no Harlem, em Nova Dellhi,

                 sob as penas da lei, 

                 em teu pulso,

                                         a vida bate.

    

E é essa clandestina esperança

misturada ao sal do mar

                 que me sustenta

                 esta tarde

debruçada à janela de meu quarto em Ipanema

                 na América Latina.

 

 

 

© Ferreira Gullar - A Vida Bate, 1999

publicado por ardotempo às 10:35 | Comentar | Adicionar