Para entender a dinâmica de um blog

Por dentro do blog

 

Ricardo Noblat

 

Por volta de 1452, todo o acervo da humanidade era estimado em algo como 30 mil documentos. Uma vez inventados os tipos gráficos, um século e meio depois a imprensa havia produzido cerca de 300 mil documentos - a maioria livros e folhas soltas. Lutero beneficiou-se da imprensa para propagar as idéias que resultaram no cisma da Igreja Católica e na reforma protestante.
 
Há pelo menos 32 milhões de livros e 61 milhões de manuscritos na Biblioteca do Congresso dos Estados Unidos. Calcula-se que o conhecimento acumulado pela internet represente, hoje, alguma coisa 50 mil vezes maior do que isso.
 
Na conta da internet não entra tudo que foi e que está sendo publicado nos mais de 112 milhões blogs existentes - uma parte expressiva deles em atividade contínua. Até há pouco se tinha como verdade que 175 mil novos blogs eram criados a cada dia. E que eles ofereciam a cada 24 horas 1,6 milhões de novos conteúdos.
 
Em alguns países, como a Alemanha, por exemplo, pretende-se guardar para sempre tudo que for postado em sites e blogs - principalmente nesses. A história em movimento de uma época está sendo escrita pelos blogs - e é importante preservá-la.
 
 
Um blog vale mais pela discussão que provoca do que pela notícia ou opinião postada por seu responsável. O post é um simples gatilho que dispara a discussão. E, com frequência, a discussão ocorre independentemente do que foi postado. É comum, aqui, que leitores aproveitem o espaço de comentários de uma nota sobre um quadro, uma música ou uma charge para debater outros assuntos.
 
É bom ou mau que seja assim?
 
É assim. E cabe ao responsável pelo blog respeitar o costume. A não ser que ele esteja mais interessado em ser ouvido do que em ouvir. Ou não saiba distinguir entre uma coluna eletrônica onde os leitores podem escrever sobre o que lêem, e um blog propriamente dito.
No blog vale o que foi escrito pelo autor e pelos leitores. E vale mais o que muitas vezes resulta desse diálogo paralelo ou frontal, bem-educado ou áspero.Em nenhum outro espaço fica evidente a perda do monopólio da produção de conteúdo por parte dos tradicionais emissores - jornalistas, escritores, acadêmicos, formadores de opinião em geral.
 
Isso é bom ou mau?
 
É assim. E não tem retorno. Em 2008, os post publicados neste blog atraíram um total de 333.783 comentários - uma média de 27.815 comentários mensais ou 927 diários.  Este mês começou quente - e não me perguntem o motivo. Não sei.
 
Janeiro é um mês de poucas notícias na área política. O governo está mais ou menos de férias. O Congresso e o Judiciário estão de férias. Cai a audiência dos veículos de comunicação - jornais, rádios, tvs, sites e blogs. Aqui, o número de comentários anda elevado. Foram 1.054 na última sexta-feira dia 2, logo em seguida ao feriado do Ano Novo; 1.193 no sábado; 1.393 no domingo, 966 na segunda-feira e 1.343 ontem.
 
Publicado por Ricardo Noblat - Blog do Noblat 

 

tags:
publicado por ardotempo às 14:04 | Comentar | Adicionar