Terça-feira, 20.05.08

Entrevista: Emmanuel Tugny

 

 

Emmanuel Tugny  –  Escritor e músico

Autor de literatura contemporânea francesa e músico nascido em 1968, atualmente editado por Éditions Léo Scheer, de Paris, publicou entre outros livros (sobretudo romances) Rheu, Les Trente, La Vie Scolaire, Choro, Mademoiselle de Biche e mais recentemente, Corbiére Le Crevant, além de vários CDs de música como autor, compositor e intérprete. Recentemente traduziu para as Éditions Léo Scheer, de Paris, o romance Panamerica, do paulista José Agrippino de Paula. Vive e trabalha em Porto Alegre, Brasil, depois de ter morado por alguns anos em Paris, São Paulo e Veneza.

ARdoTEmpo: Caro Emmanuel Tugny, você é um jovem autor de prestígio na França, como uma linguagem de vanguarda, de pesquisa, bem pouco convencional e fora dos padrões conservadores. Como isso foi possível e como uma editora de tanta relevância recebeu os seus livros com esse entusiasmo?

Emmanuel Tugny: Essa questão é difícil de responder...primeiramente, é necessário
dizer que eu não creio nem me proponho a ser um autor "de vanguarda" no sentido estrito da História Literária...eu me considero principalmente como um autor formado em Letras (Literaturas,  Filosofia, História) em todas as suas disciplinas e a elas dedicado em tempo integral, não com a intenção de construir ou de pensar o presente e o futuro literários e sim para fazer, simplesmente, os meus livros ao jeito da própria mão...

Eu faço a experîência recorrente quase passiva da apropriação da língua na atividade narrativa, o que é uma experiência estética sem ancoragem histórica: eu não sou movido mais que pelas preocupações estéticas, eu não tenho a ambição de  "prescrever o tempo". Não basta a apropriação da literatura para ser de vanguarda, seria necessário promover um "manifesto" sobre tal ato e eu jamais tenho algo a manifestar.


Mas eu retomo a sua pergunta : sobre as motivações do interesse que foi atribuído aos meus livros por meu editor. A essa questão, na realidade, eu não poderia responder por ele e sim apenas acrescentar que estou sendo publicado atualmente entre um conjunto de autores contemporâneos e a sua diretora de edições (Laure Limongi) poderia com maior precisão definir a intenção de sua proposta editorial, mais precisamente do que eu poderia fazê-lo.

ATConte como foi a recepção de seu público e como ele se formou… Como o livro foi recebido pela crítica literária e pela mídia na França?

ET: Na verdade, eu não conheço realmente o meu público, eu recebo aqui e ali algumas notícias. Como essas notícias não são muito numerosas, norrmalmente elas são notícias positivas. Atacar o meu trabalho na realidade não faz muito sentido, seria desejar demolir algo muito frágil, que resulta em algo inócuo – o ser humano é um maldoso relativo.


Eu vou cada vez menos ao encontro dos leitores, eu fui a muitas leituras públicas e até participei de algumas conferências enquanto universitário e jamais como crítico literário pelas razões que evoquei anteriormente. Eu sou da velha escola, a anterior à "vanguarda" : eu acredito nos livros, eu não acredito na "autenticação" conferida pela presença do corpo argumentativo do autor.

Mas eu posso relembrar a recepção de meu romance mais recente pelas publicações especializadas em literatura e pelos jornais. Eu percebi nessa recepção duas características precisas : um entendimento em ser essencialmente "provincial", - o que muito me alegrou uma vez que eu detesto Paris (e sua arrogante auto-atribuição de grande capital) - e o fato de me considerarem "estranho". O que me satisfaz plenamente uma vez que em meu livro eu buscava deliberadamente ser o portador da palavra de uma humanidade estranha.
Corbiére não é essencialmente um "estranho escritor provincial" ? Eu gostaria muito de ser considerado dessa mesma forma.

AT: Fale um pouco de seu tema escolhido, Corbiére (que é um ícone de autor maldito) e como você desenvolveu a sua linguagem, em pertinência ao tema. Você não teme tornar-se também uma espécie de autor maldito?

ET: Serei bastante breve, pois não gosto de falar sobre meus livros, na verdade... Eu escrevi sobre Corbiére porque essa personagem e sua obra me parecem ser os sustentáculos ideais de uma reflexão teleológica, uma reflexão sobre a morte como uma "oferenda de amor", o que significa afirmar acerca da morte como a ocasião concedida como a inclusão absoluta no mundo, uma espécie de "comunhão" com o mundo, numa participação final e verdadeiramente unificada (o que para mim parece sempre faltar à Arte) com a matéria.

Corbiére é o álibi de um trabalho sobre a procura e a descoberta essenciais, a meu ver, do "ser-matéria".

AT: Você também desenvolve uma intensa atuação como compositor e como músico, sendo líder de uma banda de música, de rock- contemporâneo, Molypop, na França – como você encara esse trabalho de criação tão multi-mediático quanto abrangente (coletivo na música e individual na literatura), na sua produção?

ET: Existem variados aspectos infinitamente felizes na atividade de "cantor de rock "  ou de roqueiro. O primeiro deles é a de sua natureza coletiva nessa atuação criativa o que me alegra, a mim que sou adaptado forçado às atividades coletivas. A segunda é a redução e síntese do poema à canção, o que para mim é e sempre será uma operação de desenvolvimento essencial. A terceira é a dimensão marcadamente física e extremamente intelectual da interpretação musical que faz uma ligação (e se assemelha) à escritura romanesca e à pintura, essa última que foi uma de minhas atividades durante um longo tempo de minha vida. A quarta é a perpetuação de uma lógica adolescente ao longo de toda a
vida : ser roqueiro aos quarenta anos é ser um pouco Dorian Gray !

AT: Quais são os seus projetos atuais e imediatos em literatura e também na música?

ET: Eu trabalho neste momento num novo romance um pouco bizarro, Le Silure,  num segundo álbum CD de música do grupo Molypop enquanto o primeiro, Sous la barque (Quand on creuse) sairá  no outono  parisiense, num outro álbum musical solo, e numa espécie de ópera que estou desenvolvendo com o compositor inglês John Greaves, intiltulada Nemeton.

publicado por ardotempo às 20:21 | Comentar | Ler Comentários (1) | Adicionar

P.A.R.I.S.

 

 

 

 

 

 

 

P.A.R.I.S. é a cidade que harmoniza e faz a escritura da arquitetura, do novo espaço do bem estar, do design e da tecnologia do século 21, com a cidade medieval, a cidade planejada hausmaniana do século 19, a cidade reconstituída do pós-guerra, do pós-maio de 68 - a cidade dos livros, dos vinhos, dos cafés-filo, dos cigarros brunes, das artes, da fotografia, dos celulares, das barracas dos sem-teto, dos turistas, do couzcouz marroquino, dos imigrantes árabes e africanos, dos carros incendiados em série nas periferias...

 

Veja P.A.R.I.S. - Paris Combo


publicado por ardotempo às 17:30 | Comentar | Adicionar

Editor: ardotempo / AA

Pesquisar

 

Maio 2008

D
S
T
Q
Q
S
S
1
2
3
4
5
6
7
8
9
16

Posts recentes

Arquivos

tags

Links

Vale a pena visitar


Verdes Trigos Cultural

Visitantes

Tradutor Torto

PageRank