O Prêmio Portugal Telecom faz suas escolhas

Uma lista bem particular:

 

  • 20 Poemas para o Seu Walkman, de Marília Garcia, poesia (Cosac Naif/7 letras, Brasil)
  • Antonio, de Beatriz Bracher, romance (Editora 34, Brasil)
  • Eu Hei-de Amar uma Pedra, de António Lobo Antunes, romance (Dom Quixote, Portugal; Objetiva, Brasil)
  • Histórias de Literatura e Cegueira, de Julián Fuks, contos (Record, Brasil)
  • Laranja Seleta, de Nicolas Behr, poesia (Língua Geral, Brasil)
  • O Amor Não Tem Bons Sentimentos, de Raimundo Carreiro, romance (Iluminuras, Brasil)
  • O Filho Eterno, de Cristovão Tezza, romance (Record, Brasil)
  • O Sol Se Põe em São Paulo, de Bernardo Carvalho, romance (Companhia das Letras, Brasil; Cotovia, Portugal)
  • Os da Minha Rua, de Ondjaki, contos (Língua Geral, Angola; Caminho, Portugal)
  • Tarde, de Paulo Henriques Britto, poesia (Companhia das Letras, Brasil)

Resumindo: cinco romances, três livros de poemas, dois livros de contos; oito autores brasileiros, um português e um angolano. No dia 29 de Outubro, o júri (composto por Jorge Fernandes da Silveira, Tania Celestino de Macêdo, Samuel Titan Jr., Selma Caetano, Benjamin Abdala Júnior, Carmen Lúcia Tindó Secco, Flora Sussekind, José Castello, Maria Lúcia Dal Farra e Rita Chaves) anunciará o autor do “melhor título em língua portuguesa lançado no Brasil em 2007″, a quem cabe um cheque de 100 mil reais (cerca de 41600 euros). O segundo e terceiro classificados recebem respectivamente 35 mil reais (14600 euros) e 15 mil reais (cerca de 6200 euros). (Publicado no Bibliotecário de Babel) 

 

Essa é a lista bem particularizada e subjetiva do Prêmio Portugal Telecom; nela estão uma certeza muito bem qualificada (António Lobo Antunes), um imenso equívoco (ou até mesmo uma fraude, fruto de intensa manipulação política, quem poderá avaliar com precisão?) e algumas tristezas de seqüelas profundas pelas ausências. Esse parece ser o destino incontornável dos prêmios de mérito em Arte e Literatura. 

Evidentemente, quem dá os Prêmios escolhe os seus próprios favoritos e ninguém tem nada a opinar sobre isso. 

tags:
publicado por ardotempo às 21:39 | Adicionar