Recomendado: Não Verás País Nenhum


Há quem diga que artistas são uma espécie de antena de raça. E são mesmo - por sua capacidade de antever, enxergar muito antes que os simples mortais, graças a sua sensibilidade aguda.
 E a um dom que os faz ser ouvidos.


Kofi Annan, secretário-geral da ONU, passou anos repetindo que, hoje, os problemas centrais da humanidade são mudanças climáticas e padrões insustentáveis de produção e consumo, além da capacidade de reposição da biosfera terrestre. 
Ficou rouco de tanto falar, poucos o ouviram.

A primeira edição deste livro é de 1981. Ele vai para a 25ª edição.

As pessoas lêem. Sabem que o autor está falando, há um quarto de século, das mesmas coisas que o secretário-geral da ONU viria tratar muito depois.
Mas em 1981, só meia dúzia de cientistas tratava das ameaças que se desenhavam. 
E neste livro, daquele ano, volta e meia o leitor tem de dizer a si mesmo "É ficção!", para não ser engolido e sufocado pelas realidades de hoje e pelas alegorias que povoam as páginas.
 É um livro captado por antenas de sensibilidade.


Por isso é tão atual, tão lido - fora o estilo que são outros quinhentos.

Washington Novaes



NÃO VERÁS PAÍS NENHUM
© Ignácio de Loyola Brandão
Romance, 25ª Reedição 2007 / 416 páginas
Editora: Global Editora
ISBN 978-85-260-1176-2
publicado por ardotempo às 17:59 | Adicionar