Entrevista: Tânia Rösing

"Para questões de cultura, nunca houve tempo de fartura."
 
 
 
 
 
 
Tânia Rösing - Professora, Doutora em Teoria Literária, idealizadora e organizadora das Jornadas Literárias de Passo Fundo RS - Brasil
 
ARdoTEmpo: Tânia, você é a idealizadora e a Coordenadora do mais significativo e importante Encontro de Literatura em Língua Portuguesa, que ocorre no Brasil - como será agora em 2009? O que sua equipe está programando?
 
Tânia Rösing:  Todos nós, os integrantes da equipe organizadora, estamos trabalhando em função da seleção do tema geral, programando os subtemas dos palcos de debates e das conferências. É a fase dos contatos com as editoras e da seleção dos nomes dos autores, tanto da Jornada quanto da Jornadinha em função do tema que abrigará os debates.
 
Estamos formatando o 8º Seminário Internacional de Pesquisa em Leitura e Patrimônio Cultural, o 3º Encontro Nacional da Academia Brasileira de Letras, o 2º Encontro Estadual de Escritores e o Seminário Internacional de Contadores de histórias, ao lado da programação de 13 cursos.  
 
ARdoTempo: Qual a interferência da prevista crise econômico-financeira sobre a Jornada de 2009? Muitos eventos culturais já estão sofrendo, a própria Feira do Livro de Porto Alegre resultou muito menor neste ano de 2008 e com limitações estruturais bem evidentes... O que acontecerá com a Jornada - será menor, menos ambiciosa que o fato extraordinário de 2007?
 
Tânia Rösing: Para questões de cultura, nunca houve tempo de fartura. Há que se lutar muito, a cada edição das Jornadas Literárias, uma vez que não existe disposição em diferentes instâncias de prever a designação de verbas vultosas para ações educacionais sintonizadas com ações culturais no Brasil.
 
Desde 1981, lutamos para conseguir os apoios financeiros necessários. Se fôssemos levar em conta essa batalha, esses desgaste físico e psicológico para convencer instituições governamentais, apoiadores financeiros, já teríamos desistido. Como o mais importante é o objetivo que perseguimos – formar leitores – o que já nos rendeu o título de Capital Nacional da Literatura e a constatação por intermédio de pesquisa feita pelo IBOPE de que, no momento, Passo Fundo é a cidade brasileira onde mais se lê no país:  6,5 livros por pessoa-ano, continuamos a executar nossas idéias do tamanho que elas são e com a complexidade que elas implicam.
 
É importante salientar que a Feira do Livro de Porto Alegre não resultou menor em função de crise financeira mundial. Outros motivos que não nos interessam explicitar, causaram o transtorno responsável pela decisão de fazê-la menor em 2008.
 
Há que se aprovar o projeto na Lei Rouanet – Mecenato e na LIC Estadual para desencadear o processo de captação de recursos.
 
ARdoTEmpo: Temos algum nome já confirmado entre os grandes escritores que poderiam estar conosco, em Passo Fundo?
 
Tânia Rösing: A homenagem da 13ª Jornada Nacional de Literatura e da 5ª Jornadinha Nacional de Literatura será feita ao escritor Pedro Bandeira.
 
Entre os demais grandes escritores já convidados, confirmou presença António Lobo Antunes, uma das maiores expressões literárias de língua portuguesa na atualidade. Os demais nomes serão divulgados, no momento oportuno, por intermédio de nosso site. 
 
 
ARdoTEmpo: Poderemos contar novamente com o brilho e o entusiasmo dos "três tenores" - os brilhantes Ignácio de Loyola Brandão, Alcione Araújo e Júlio Dinis na coordenação dos debates no Circo da Cultura - o grande palco da Literatura no País? E o Luís Augusto Fischer, que tão bem coordenou o Encontro de Escritores Gaúchos, repetirá o seu projeto?
 
Tânia Rösing: As ações das Jornadas, no âmbito da movimentação cultural em que se constituem, têm a mesma importância e os coordenadores dos debates, dos seminários e encontros de escritores nacionais e estaduais, dos palcos de debates, das conferências, dos cursos, todos fazem parte da programação complexa que elas representam. 
 
Contaremos sim, com a participação já tradicional de Alcione Araújo, Ignácio de Loyola Brandão, de Júlio Dinis; convidamos Luís Augusto Fischer para continuar coordenando o Encontro Estadual de Escritores; Miguel Rettenmaier coordenará o Seminário Internacional de Pesquisa em Leitura e Patrimônio Cultural juntamente com Fabiane Verardi Burlamaque; Eliana Teixeira e Paulo Becker coordenarão a Jornadinha; Celso Sisto e Eladio Weschenfelder, o Seminário Internacional de Contadores de histórias, a Pré-Jornada e a Pré-Jornadinha serão desenvolvidas por Solange Lopes Brezolin, Eliana Teixeira, Liana Lângaro Branco e as demais atividades, cada uma terá o seu coordenador cuja responsabilidade exigem talento, liderança, comprometimento. Sempre tivemos o apoio ímpar de profissionais sintonizados com os grandes objetivos que sustentam nosso movimento.
 
ARdoTEmpo: A Jornada Literária de Passo Fundo, é, sem dúvida, o fato literário superlativo nacional no ano em que ocorre, isso se consagra a cada grande evento realizado - como você vê o futuro da Jornada e qual a sua importância para a Universidade de Passo Fundo, para comunidade da região onde acontece e para o universo literário do País? 
 

Tânia Rösing: As Jornadas Literárias de Passo Fundo são um caminho importante no processo de formação de leitores literários e, ao mesmo tempo, de leitores que possam entender e apreciar as linguagens de distintas manifestações culturais. Não são um evento, mas o ápice bienal de uma movimentação cultural permanente, com muitos desdobramentos.

 

Sendo seu único objetivo formar leitores, cada vez mais reunimos pessoas que desejam contribuir com a sua continuidade, com a sua ampliação, com a consolidação cada vez maior de toda essa movimentação, considerando a importância que assumiu não apenas no Rio Grande do Sul, mas no Brasil, com reconhecimento internacional. Enquanto houver disposição de trabalho, vontade política desse grupo interinstitucional que integra a comissão organizadora, bem como o apoio de escritores, de editores, de livreiros, a presença das Leis de Incentivo à Cultura e apoio de empresas estatais e de empresas privadas, continuaremos a nossa luta, que não é pequena mas que vale a pena, pois busca a transformação das pessoas, a ampliação do número de leitores críticos e emancipados. 

 

Entrevista concedida por Tânia Rösing ao Blog ARdoTEmpo - dezembro de 2008

publicado por ardotempo às 12:04 | Comentar | Adicionar